latinoamerica
28.8.07
 


Argentinidad
(ou Celos)

chego a ti de peito aberto, insanidade latente
nas primeiras esquinas tua noite me brinda
como uma dançarina sem rosto, nua e louca
e me afaga como um filho há muito ausente

o vento por tuas ruas é um grito de lamento
cadenciado pela melodia do teu salto sobre o chão
pelo pulsar dos olhos mirando cada movimento
ao decifrar teu corpo na intimidade da escuridão

no lábio vil de outro par, o corte frio do teu desprezo
na minha boca ainda o drama e o fernet do seu beijo

por aqui a madrugada aperta o passo da milonga
que desafina na voz triste do bandoneón forasteiro
procuro ébrio por tua silhueta na neblina do espelho
espalho a fumaça do cigarro para espantar o devaneio

da varanda, vejo teu vestido na esquina desaparecer
da cama, imagino quantos por ti ainda vão morrer
da varanda, vejo quantas esquinas para se morrer
da cama, imagino teu vestido do corpo desaparecer

no copo vil de outro bar, o lábio frio do teu desprezo
na minha boca ainda o drama e o fernet do seu beijo
 
17.8.07
  o homem que desistiu

 
16.8.07
 

CORVO MORTO

acharam o padreco morto faz um rato. polícia correu afoita depois da velhinha passar um fio lá no chefe. ninguém sabe ainda como aconteceu. velhinha jurava de pé junto pro moço do jornal. a batina do finado tava arriada no zumbigo, cueca pelas canelas sem meias, babinha ressecada no canto da boca aberta.

"morreu de perdoar lobo em pele de cordeiro", disse o pipoqueiro.

na poeira do boato, o bispo vem encomendar espírito do beato. despacha petição para que tenha o melhor funeral das cercanias, tudo de papel passado, preto no branco. tudo muito diferente da época do seminário teatino, quando um era veterano do outro. encontros noturnos com vinho e nudez. coroinha Adamastor viu tudo pelo ferrolho e fez voto de silêncio participando da cerimônia.

"morreu defendendo dogmas da santíssima igreja", o escrivão assinalou.

o amor jamais havia batido em sua porta. pegou mulher mesmo lá na casa de tolerância, deus me livre. depois veio a sífilis e castidade. nunca mais sentiu o cheiro, doutor. bebia na miúda e gritava de madrugada. uma vez tava bulinando e chamaram o pároco. três padres-nosso e ferrou no sono, mas acharam garrafa de gim enrustida na semana do ordenado.

"morreu para compor o reino dos céus", souberam os pais.

perícia observou babinha ressecada na boca do falo torto. sacristão falou da moça que veio ter com o finado depois da missa. mulher da vida, mas teve atenção lá no confessionário. ela bebia e jogava sinuca com os piás do sindicato. depois entrava no celeiro e deixava que bulinassem. um trago na surdina e o padre abriu coração para ouvir que a sirigaita gostava da coisa toda na frente e atrás. ouviu tanto, doutor, que o peito ficou surdo, e o diabo disse amém.

"morreu do mal de chagas", manchetaram os jornais.

 


trago?
OUTRAS COISAS
How Soon is Now? / ArteFato / Prosa Caótica


LIMBO
Setembro 2003 / Outubro 2003 / Novembro 2003 / Dezembro 2003 / Abril 2004 / Agosto 2004 / Junho 2005 / Julho 2005 / Setembro 2005 / Outubro 2005 / Novembro 2005 / Janeiro 2006 / Fevereiro 2006 / Março 2006 / Junho 2006 / Agosto 2006 / Novembro 2006 / Dezembro 2006 / Janeiro 2007 / Fevereiro 2007 / Abril 2007 / Agosto 2007 /


Search Engine Optimization
Chinaski was here Counter